3ª turma: Adicional de insalubridade não é devido em serviços prestados na modalidade “home care”

Uma empresa prestadora de serviços de atenção domiciliar à saúde (home care) conseguiu, em recurso para o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, a reforma da sentença que a condenara ao pagamento de adicional de insalubridade de 20% do salário mínimo. Em recurso analisado pela 3ª Turma do TRT-2, a reclamada argumentou que é indevido tal pagamento, porque “o adicional de insalubridade não se presume e deve estar comprovado, o que não foi feito nos autos”.

A autora, uma auxiliar de enfermagem que laborava de forma fixa na residência de um único paciente, requereu em audiência que a perícia para apuração da alegada insalubridade fosse realizada na residência em que trabalhava. O juiz (1º grau) deferiu, condicionando a realização da diligência à juntada aos autos da autorização do paciente. Como isso não ocorreu, a realização da perícia técnica foi indeferida. A empregada juntou então prova emprestada ao processo.

Segundo o acórdão (decisão de 2º grau), “as diligências descritas na prova emprestada foram realizadas em locais diversos do da prestação de serviços”. A relatora do processo, desembargadora Mércia Tomazinho, explicou que não há comprovação de que a condição médica do paciente que estava sob os cuidados da auxiliar de enfermagem era a mesma dos pacientes indicados nos quatro laudos juntados pela reclamante.

A decisão da turma mencionou o Anexo 14 da Norma Regulamentadora (NR) 15 que disciplina sobre insalubridade no trabalho em hospitais, serviços de emergência, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados aos cuidados da saúde humana. “Residência não é estabelecimento destinado aos cuidados da saúde humana”, diz o documento. Por unanimidade, os magistrados da 3ª Turma excluiu da condenação o adicional de insalubridade e reflexos.

Obs.: o processo está pendente de julgamento de embargos de declaração.

(Processo nº 0002538-24.2015.5.02.0041 – Acórdão nº 20170204051)

Fonte: trtsp.jus.br

Artigos recentes

Renomado blog jurídico publica artigo do nosso escritório

Artigo produzido pelas advogadas da Gonzalez & Simonetti, Karina Alves Gonzalez Simonetti e Priscilla Cipriano Santos de Carvalho foi publicado no renomado blog jurídico “Mizuno”.Confira abaixo o texto na íntegra: TRABALHO EM REGIME DE PARCERIA PROFISSIONAL E A NÃO CARACTERIZAÇÃO DE VÍNCULO EMPREGATÍCIO Não raras vezes, nos deparamos com demandas

Leia mais »

Cartilha informativa sobre a função de DPO – Data Protection Officer

COMPETÊNCIAS PARA DPO 1) Conhecimento Jurídico-regulatório: o DPO deve ser designado com base em suas qualidades profissionais, principalmente em seu conhecimento especializado no domínio jurídico e práticas de proteção de dados. Referido conhecimento deverá levar em consideração não somente a lei local, mas todas as legislações internacionais e normas setoriais

Leia mais »

Trabalhe conosco: